Como se Preparar Emocionalmente para prova

Frequentemente, o pior inimigo de um candidato na hora da prova é o nervosismo. A falta de preparo emocional faz com que você esqueça as matérias estudadas, caia em pegadinhas da prova e até mesmo diminua seu rendimento. Pensando nisso, preparamos algumas dicas especialmente voltadas para que você se prepare emocionalmente para a prova. Veja:

Estude

A melhor maneira de estar emocionalmente preparado para uma prova é por meio do estudo. Ao ter consciência de que você estudou os pontos do edital e praticou exercícios à exaustão, fica mais fácil desenvolver a autoconfiança necessária para não duvidar de si mesmo e ter um bom desempenho na hora da prova

Treine por meios de simulados

 

Quanto mais parecidos forem seus simulados com o contexto de aplicação da prova, melhor. Para isso, separe o tempo específico requerido para a prova (4 horas, por exemplo), sem intervalos maiores do que a ida ao banheiro. Utilize provas passadas do concurso, ou mesmo provas recentes aplicadas pela mesma banca. Assim, será mais tranquilo enfrentar o dia da prova do concurso.

Tenha inspirações motivacionais

 

É importante que cada candidato tenha em mente exatamente o que te motiva a fazer o concurso. Segurança financeira? Estabilidade na carreira? Possibilidade de exercer a profissão dos sonhos? Procure associar uma imagem a todos esses motivos! Alguns estudantes até mesmo colam gravuras representativas desse sonho em seu local de estudo, como forma de se motivar nos momentos de maior tensão. E isso também vale para a hora da prova: basta fechar os olhos, imaginar aquele quadro e deixar o nervosismo passar.

Aprenda equilibrar estudos e lazer

 

Esse é um aprendizado que você deve desde quando começa a estudar para concursos. Claro que sua rotina vai mudar muito, e que provavelmente você diminuirá o ritmo das saídas e do lazer, no entanto, isso não significa que você deva eliminar de vez os momentos de descanso até passar no concurso. É importante que o candidato tenha lazer com os amigos, família e cônjuge.

Além disso, é importante dedicar tempo de descanso para assistir a filmes, séries e outros hobbies que eventualmente você tenha. Desde que com equilíbrio, manter essa rotina de estudos e lazer só vai ajudar seu desempenho.

Cuide do corpo: exercícios e meditação

Sim, o corpo também precisa de cuidados. Seja porque a rotina de estudos pode ser extremamente difícil para as costas e o pescoço do candidato, seja porque a mente também precisa de exercícios, você precisa ter uma rotina de cuidados com o corpo. Mantenha horários livres para ir à academia, ou fazer caminhadas leves. Se possível, utilize técnicas de meditação para exercitar e descansar também a mente (confira aqui algumas dicas sobre como praticar meditação).

Técnicas de respiração também podem te ajudar

Outra coisa que ajuda muito a controlar as emoções na hora da prova (e também durante os estudos) é a respiração. Uma técnica extremamente simples é a respiração em dois tempos. Basicamente, você inspira em um tempo, e expira em dois. Faça isso contando os segundos: inspire contando até três, expire contando até seis; ou inspire contando até cinco, expire contando até dez. Essa relação entre inspiração e expiração oxigena o corpo e a mente, ajudando você a relaxar.

Técnica de aprendizagem – Visualização

Visualização – Conceito

O que significa visualizar como técnica de estudo?. Enquanto estudamos, nosso cérebro tenta criar imagens na cabeça.

Enquanto lemos ou assistimos a algo, nosso cérebro vai montando representações.

O interessante é que visualizar não é uma técnica em si, mas uma função cognitiva natural de um bom leitor. Lembro de entrevistar pessoas que costumavam passar de primeira e era comum ouvir que estas, ao final da leitura, “criavam na mente um filme” do conteúdo estudado. Mas, para eles, não era uma “técnica”, era simplesmente uma consequência natural do ato de ler/assistir.

Fomos ensinados a ler sílabas que formam palavras (sons) e, aleatoriamente, algumas pessoas começam a aprender o que é natural em países como o Japão e a Alemanha: ler a história, ler o filme (e não as palavras).

Como você vai utilizar essa ferramenta chamada visualização? Comece a ler ou a assistir a uma aula e esforce-se para conseguir acompanhar na sua cabeça… Criar um filme daquilo que você está lendo. Você lê, por exemplo: “a tortura é proibida no Brasil”. Você consegue imaginar isso acontecendo?

“Compete privativamente ao Senado, processar e julgar o Presidente da República e o vice nos crimes de responsabilidade, assim como os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, nos crimes de responsabilidade conexos com os mesmos”. Você leu essa ‘‘marmota’’ toda, mas consegue entender o que aconteceu? Você consegue imaginar o que significa processar e julgar esse pessoal?

Isso é usar sua imaginação e o lado direito do cérebro para literalmente duplicar a efetividade de seus estudos!

A maioria de nós, enquanto estamos fazendo uma leitura, fazemos de forma passiva: nosso compromisso é só passar os olhos nas linhas. Isso é uma perda de tempo muito grande. Enquanto estamos lendo, temos de conseguir criar aquela história na cabeça! Você não vai ser testado pela quantidade de linhas ou páginas que você leu, mas pela quantidade de páginas para as quais gerou uma representação e que você conseguir extrair da sua memória na hora da prova.

Como exemplo, a maioria das pessoas, quando estudam ou assistem às aulas de um cursinho, tentam só memorizar os conceitos sem visualizá-los.

O que é uma autarquia? Autarquia é criada por lei, é extinta por lei, tem poder de policia às vezes… Mas o candidato sequer consegue visualizar o que é uma autarquia. A preocupação em decorar o conceito é maior que a de aprendê-lo. O foco está na memorização de palavras, quando seria mais fácil e eficiente, absorver o entendimento por meio de uma boa representação.

Essa sacada é da Dr. Michael Hall, PhD em Psicologia e mega especialista em aprendizagem, ele dizia que durante sua sessão de estudos, ao final de um trecho ou bloco de conteúdo, pare por alguns segundos e confira a visualização que você fez daquela matéria, perceba se está claro o suficiente, e anote uma palavra-chave que represente esta visualização.

O que é uma autarquia? Ah, é tipo o BACEN e a ANATEL. Legal! Então se é como o BACEN e a ANATEL, eu sei que é de direito público, eu sei que faz sentido que seja criada por lei, porque vai executar uma atividade que está prevista na lei (esta representação sintetiza as características do que foi estudado sem que você tenha que se esforçar em memorizar cada palavra do conteúdo estudado).

Estudo Intercalado Técnica de estudo para concurso

vai estudar quatorze matérias diferentes no mesmo dia? Absurdo.

A pergunta agora é: o que? Por exemplo, essas são as matérias que caem no meu concurso, caem pra mim onze disciplinas. Como é que eu vou distribui-la no meu estudo? O estudo intercalado vai dizer o seguinte, melhor do que pegar esse tempo todo e estudar uma só disciplina, será melhor estudar mais de uma no mesmo dia ou ao longo de um período, intercalando-as ao longo das horas de estudo.

Por exemplo, vou apreender, por imersão, Direito Constitucional, ou seja, vou passar duas semanas só vendo Direito Constitucional, vou amar essa matéria e pronto, eu aprendi.

A grande descoberta é que nós desenvolvemos um conhecimento maior e mais perene quando frequentemente e intercaladamente aprendemos essa informação ao longo do tempo.

Então, mais importante do que você ter quarenta horas de estudo em uma semana só de uma matéria, seria ao logo de uma semana, você ter oito horas de estudo sobre essa matéria.

No médio prazo, isso vai gerar mais resultados para você! Quando decidir utilizar essa técnica, cuidado para não incorrer em um erro comum que é querer fazer o estudo intercalado de todas as disciplinas.

Você pode cometer o erro de chegar a um extremo tão grande, que vai querer o quê? “Ah, tenho trinta e cinco horas para estudar, tenho doze matérias, quero

estudar as doze simultaneamente”. Bom, o que acontece com isso?

Considerando que além das doze disciplinas, ainda tem que reservar horas para testes, simulados e algum outro ponto que precisar encaixar nesse tempo, logo você estará com apenas cerca de duas horas e meia por semana para cada disciplina. Imagina só estudar Direito Constitucional por somente duas horas e meia por semana? Ainda fazendo as revisões de tudo. Você vai levar um ano para fechar essa matéria. Não faça isso!

Então, existe um limite considerado para cada pessoa, e cada pessoa tem o seu. Tivemos uma aluna que foi a primeira colocada no TSE, ela conseguiu estudar dez matérias simultaneamente por semana, nas sessenta horas que estudava. Eu consegui estudar cinco, no máximo seis. Você vai encontrar o seu ponto.

Basta pensar o seguinte: um extremo ruim é uma disciplina só, e passar a semana toda estudando somente ela. Intercaladamente isso vai ser muito mais útil. Portanto, se tem que estudar 10 disciplinas, deverá encontrar um meio termo, colocar cinco a seis disciplinas por semana, aí você mata logo essas.

Insere-as nas revisões e adicionando novas disciplinas a medida que finalizar uma isso até cobrir todas as disciplinas que precisará estudar nesse tempo